Gestão Financeira de Curto Prazo

A gestão da tesouraria é sobretudo um processo de ajustamento granular, mas está intimamente relacionado com os níveis e necessidades de fundo de maneio ou capital circulante da empresa. Convém não esquecer que a dimensão temporal do processo produtivo implica que os fluxos de pagamentos e de recebimentos não são coincidentes. Por norma, há um hiato entre o momento em que se efetua o pagamento das matérias-primas e se recebe o proveito das vendas que lhes correspondem, exigindo disponibilidades permanentes de caixa.

O desfasamento, ou a maior ou menor extensão do ciclo de caixa é, por norma financiado com recurso a capitais permanentes. Contudo, a empresa pode actuar sobre o ciclo de caixa através de políticas comerciais e instrumentos financeiros de modo a reduzir o nível das necessidades permanentes de tesouraria. Circunstâncias existem, também, em que é possível adotar estratégias produtivas e comerciais que aumentam a coincidência dos fluxos de entrada e saídas de fundos financeiros, para além de soluções que os intermediários financeiros colocam ao dispor das empresas, em condições mais vantajosas que o custo dos capitais permanentes.

Objetivos

– Entender o papel fundamental do planeamento financeiro a curto prazo no seio de
qualquer organização empresarial;
– Gerir o capital circulante como forma de maximizar a libertação de cash-flow;
– Compreender o conceito de equilíbrio financeiro de curto prazo, determinando a tesouraria líquida da empresa e definir como deve a empresa financiar as necessidades de fundo de maneio;
– Analisar a verdadeira situação de liquidez e de libertação de cash-flow a partir do orçamento de tesouraria;
– Minimizar os custos de financiamento com a construção de um plano de financiamento;
– Escolher o(s) melhor(es) instrumento(s) de financiamento, tendo em consideração as necessidades da empresa;
– Entender o contexto atual de regulação do sector bancário, mais restritivo na concessão de crédito.

Programa
Parte I: Planeamento Financeiro
1. A Função Financeira e a Gestão de Tesouraria
1.1. Valor da Empresa e Cash-Flow Futuro
1.2. Free Cash-Flow e Mapa de Cash-Flow
2. O Processo de Planeamento Financeiro
2.1. Planeamento Financeiro vs. Análise Financeira
2.2. Modelos de Planeamento Financeiro (ou Previsão Financeira)
3. Construção de um Modelo de Planeamento Financeiro
3.1. Previsão do Volume de Negócios (ou da sua distribuição de probabilidade)
3.2. Construção de Mapas Previsionais
3.3. Análise do Risco e Incerteza
4. Aferição das Necessidades de Financiamento
4.1. Necessidades de Financiamento vs. Excesso de Liquidez
4.2. Variáveis de Equilíbrio ou Ajustamento
4.3. Método da Percentagem das Vendas
4.4. Financiamento Externo e Crescimento
5. Case Study | Resolução de Exercícios
Parte II: Orçamento de Tesouraria
1. Tesouraria Líquida: Fundo de Maneio e Necessidades de Fundo de Maneio
2. Relações entre as Decisões Financeiras de Longo e de Curto Prazo
2.1. Necessidades de Financiamento Acumuladas
2.2. Disponibilidades e Capital Circulante
2.3. Mapa de Origens e Aplicação de Disponibilidades
2.4. Lucros vs. Cash-Flows
3. Construção de um Orçamento de Tesouraria

4. Gestão do Crédito a Clientes
4.1. Condições de Venda
4.2. Instrumentos de Crédito Comercial: Promissória; Letras Comerciais; Aceite Bancário;
Carta de Crédito Irrevogável
4.3. Avaliação do Risco de Crédito
4.3.1. Modelos Qualitativos – 5Cs
4.3.2. Modelos de Credit Scoring: Probabilidade Linear; Logit e Probit; Análise
Discriminante; Árvores de Decisão; Redes Neuronais
4.4. Passos a seguir na Gestão do Crédito
5. Construção do Mapa de Tesouraria: Case Study | Exercício
Parte III: O Plano de Financiamento
1. Plano de Financiamento de Curto Prazo
2. Financiamento Bancário
2.1. Elementos definidores do Crédito Bancário
2.1.1. Finalidade / Aplicação do Crédito
2.1.2. Montante / Valor Emprestado
2.1.3. Prazo
2.1.4. Preço: Formação do all-in cost
2.1.5. Garantias: Reais vs. Pessoais
2.1.6. Condições Contratuais: Covenants Não Financeiros (Ownership Clause; Cross-
Default; Negative Pledge; Pari Passu) e Financeiros (Autonomia Financeira; Rácio
de Endividamento; Loan-to-Value)
2.2. Tipo de Dívida Bancária: Crédito por Desembolso e por Assinatura
2.3. Crédito por Desembolso:
2.3.1. Conta-Corrente e Descoberto em Conta DO;
2.3.2. Desconto Comercial: Letras e Cheques Pré-datados; Livranças; Créditos
Documentários e Remessas;
2.3.3. Invoice Credit: Factoring (com e sem recurso); Confirming e Self-Confirming
2.3.4. Empréstimo com Plano de Reembolso

2.4. Crédito por Desembolso: Créditos Documentários e Garantias Bancárias
2.5. Programa de Papel Comercial e Obrigações
2.6. Constrangimentos à Concessão de Crédito
2.6.1. A Nova Regulamentação dos Mercados Financeiros: Basileia III, os Modelos de
Rating e o reforço de Capitais Próprios (Core Tier Capital e Buffers de Capital)
2.6.2. A Função Compliance no quadro do Controlo Interno (Gestão de Risco e
Auditoria Interna)
Parte IV: Serviços de Gestão de Tesouraria
1. Instrumentos de Pagamento
1.1. Área Única de Pagamentos em Euro (Single Euro Payments Area – SEPA): IBAN;
Ficheiros XML
1.2. Transferências Imediatas
1.3. Débitos Directos e LCR
1.4. Cartões e Cheques
1.5. Infraestruturas de Mercado: SICOI; TARGET2; AGIL
2. Cash-Management
2.1. Descobertos Grupados
2.2. Cash-Pooling: Cash-Concentration e Interest Rate Concentration
2.3. Conta Gestão Tesouraria
3. Cobertura de Risco
3.1. Seguro de Créditos
3.2. Risco de Taxa de Juro: Taxa Fixa vs. Taxa Variável; Instrumentos Derivados (IRS; Cap;
Floor; Collar)
3.3. Risco de Taxa de Câmbio: Forward e Instrumentos Derivados
3.4. Risco de Commodities
3.5. Sistema de Garantia Mútua
4. Resolução de Exercício

 

    Formador: Paulo Alcarva

Licenciado em economia e pós-graduado em mercados de capitais e gestão de carteira pela faculdade de economia da universidade do porto.
Experiência de 20 anos na área da banca de empresas, desempenhando funções de direção num dos maiores bancos nacionais, quer trabalhando com pme, quer com grandes grupos económicos.
Autor dos livros “a banca e as PME” (vida económica, 2013) e “o financiamento bancário de PME” (atual editora – grupo almedina, 2017).
“industry fellow” da católica porto business school (cpbs), com a docência de várias disciplinas de finanças empresariais. Docente de compliance e corporate governance no curso executivo de gestão bancária do instituto superior de gestão bancária.
Professor das disciplinas de “crédito bancário” e “crédito a empresas” no curso de técnicas e operações bancárias do instituto de formação bancária, entre 2011 e 2014.
Participante em workshops / seminários / conferências sobre banca de empresas e finanças empresariais , em várias instituições de ensino superior (cpbs, fep, iscap, isag).

       

 

Destinatários
Empresários, gestores, diretores financeiros e colaboradores das empresas

 

Valor da inscrição
240 Euros – Associados APCMC
290 Euros – Não associados APCMC
Inclui documentação e Certificado da Formação
O número de inscrições é limitado e a inscrição só será válida após boa cobrança.
Desconto de 15% para inscrições de grupo (a partir de 3 inscrições)

Formação
Formulário de Inscrição - Formação

Interessante! Partilhe.
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print